Biblioteca do Palácio de Mafra é uma das mais encantadoras para a National Geographic

Biblioteca Nacional de Mafra. - ph. Bosc d'Anjou

 

Fotografia: Bosc d’Anjou

 

“O Palácio Nacional de Mafra foi outrora um convento real. A sua biblioteca, concluída em 1730, contém mais de 35.000 volumes encadernados em couro. Em 1745, o Papa concedeu à biblioteca permissão especial para acolher os chamados livros proibidos. A biblioteca está aberta apenas a investigadores e académicos com “justificação” e sob marcação prévia.”

É desta forma que Melissa Mesku, editora e escritora nova-iorquina, se refere à Biblioteca mafrense, num artigo publicado pela National Geographic.

“Veja as 23 bibliotecas mais encantadoras do mundo” – é este o título do texto que vem acompanhado com fotografias dos exemplos seleccionados um pouco por todo o mundo.

Biblioteca Joanina, de Coimbra, é o outro espaço português que integra este quadro de honra

O artigo data já de Abril de 2019, mas trata-se duma peça jornalística intemporal, ou não fossem recorrentes os elogios internacionais a este elemento icónico do conjunto que integra o património mundial classificado pela UNESCO.

Entre referências a outros espaços de conhecimento e cultura livresca de tirar o fôlego, do Brasil à Alemanha, encontra-se o espaço mafrense, cujos exemplares guardados nas prateleiras são protegidos por colónias de morcegos, tal como sucede com a Biblioteca Joanina, de Coimbra, que é a outra biblioteca portuguesa que integra este quadro de honra.

Pode ver o artigo original aqui.