Surf & Rescue ‘abriu’ o Verão na Ericeira

 

Fotografia: DR

 

O Surf & Rescue, projecto que une o Surf e o Salvamento Aquático, está de regresso às praias nacionais pelo 3º ano consecutivo e, depois de arrancar em Sesimbra, teve a sua segunda acção na Praia de Ribeira d’Ilhas, na Ericeira.

A Reserva Mundial de Surf da Ericeira foi palco esta Terça-feira, primeiro dia de Verão em Portugal, da segunda acção desta iniciativa em de 2022, fruto de uma parceria entre a Associação de Escolas de Surf de Portugal (AESP), o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN) e a Fundação Vodafone Portugal. A meta principal do projecto passa por reforçar a segurança nas praias portuguesas, envolvendo os surfistas no processo.

A formação, que decorreu entre as 9 e as 18 horas, contou com 16 participantes, desde surfistas, treinadores, outros membros e trabalhadores de Escolas e Clubes de Surfing e ainda nadadores salvadores. A acção dividiu-se entre uma parte teórica, em terra, e outra prática, no mar da Reserva Mundial de Surf, onde foram ensaiadas tácticas e técnicas de salvamento. A realização desta formação em surf e salvamento aquático atribui, ainda, unidades de crédito para a renovação de cédulas de Treinador IPDJ.

É do conhecimento geral que as Escolas e Treinadores de Surf dão um importante contributo para a segurança e o salvamento nas praias em Portugal, bem como toda a comunidade surfista de uma forma geral. Na verdade, são estes uns dos principais agentes de protecção e segurança das praias fora da época balnear. Contudo, muitos dos praticantes não detêm um conhecimento actualizado e adequado das técnicas de resgate, primeiros socorros e Suporte Básico de Vida e, na maioria dos casos, estas acções de salvamento ocorrem de uma forma informal e sem registo das ocorrências.

De acordo com o Comandante João Pombo, Chefe do Serviço de Assistência a Banhistas do ISN, “Fazer esta formação na Ericeira, uma localidade que tem forte ligação à comunidade do surf, faz todo o sentido. O objectivo, além de ensinar os conceitos básicos do salvamento e suporte aquático, é também estabelecer uma ligação entre a comunidade de surf e a comunidade do salvamento aquático, nomeadamente os nadadores salvadores. São comunidades muito importantes, que garantem o salvamento e a segurança de tantas pessoas. Os surfistas estão todo o ano nas praias e garantem segurança e apoio a quem dele necessita. Aqui a meta é passar conhecimentos e estabelecer interligação entre as comunidades, tornar o sistema mais robusto, onde o mote de salvar vidas no mar se torne mais geral e qualquer pessoa o possa fazer de forma segura e informada. E, acima de tudo, mantendo a sua própria integridade e segurança.”

Para Afonso Teixeira, Director Executivo da AESP, “O objectivo é unir surfistas, treinadores de surf e escolas de surf a toda a comunidade do salvamento aquático, de forma a haver uma maior segurança nas praias ao longo de todo o ano. Fora da época balnear, quando não temos nadadores salvadores a vigiar as praias, temos os surfistas e as escolas de surf e o intuito é oferecer-lhes os conhecimentos que precisam para fazer salvamentos com mais competência. É importante estarem preparados para fazer suporte básico de vida, primeiros socorros e saberem actuar numa situação de emergência. Também temos nadadores salvadores a fazer a formação, com o foco maior na parte do mar, na leitura do mar e das ondas, na utilização da prancha. No fundo é um intercâmbio entre surfistas e nadadores salvadores, onde uns bebem conhecimento dos outros. Os surfistas dão conhecimento do mar e das ondas, os nadadores salvadores sobre o conhecimento que têm das técnicas de salvamento e do suporte básico da vida. Tudo servirá para contribuir para mais segurança nas nossas praias.”

Por fim, no entender de Pedro António do Carmo Silva, Vereador da Câmara Municipal de Mafra, “Nunca é demais realçar a importância deste tipo de formações. Sabemos bem que os surfistas têm tido um papel relevante nos salvamentos na nossa costa, principalmente nas áreas não vigiadas. Tenho de dar os parabéns à organização pela iniciativa, que espero que se repita e que todos aproveitem para aprender.”

Seguem-se agora iniciativas em Aveiro (a 27 de Junho) e em Viana do Castelo, no dia 29 de Junho.