“O tempo estival a findar!”

Um anfiteatro natural ímpar - ph. Nélson Jacinto.

 

Texto: João Franco ‘Lapina’ | Fotografia: Nélson Jacinto

 

Hoje é o último dia de Verão. Com a transição para o tempo Outonal, o calor vai esmorecendo e o areal da Praia dos Pescadores, em destaque na imagem que ilustra este artigo, vai ficando mais despido de banhistas. Tempo para os tradicionais ocupantes daquele espaço tão simbólico da Ericeira recuperarem o seu protagonismo. Retomamos desta forma a poesia de João Franco, mais conhecido por ‘Lapina’.

 

Marés vivas e a maresia
O tempo estival a findar!
Um poente ao fim do dia
E tantos anseios de mar

Lava a rede, leva o bote!
Calçada acima, ao invés
Mete a tralha no caixote
Que a onda vem de viés

Acende uma gambiarra!
Que o dia já é minguado
Põe a boina e a samarra
Botas d’água e o oleado

Cerra os punhos e olhar
Com a audição apurada
Conta a batida do mar!
Preparado pr’á nortada

Amaldiçoa o catavento
Que roda louco de dor!
Ruge forte o pífio vento
Chora débil o pescador