Na cidade dos Notown com Catarina Ortins

Catarina Ortins e os Notown. - ph. João Luís Silva

 

Texto: Ricardo Miguel Vieira | Fotografia:  João Luís Silva

 

O concerto dos Notown inaugurou o Jukebox Groove e não hesitámos em trocar umas palavras com a versátil e aguerrida vocalista da banda, Catarina Ortins.

 

QUEM

“Eu e o João Ferreira (NBC, Link, Kussondulola, Maria Bradshaw, Djambalaya) – o guitarrista – conhecemo-nos há dois anos, porque estamos a estudar Jazz e Música Moderna na Universidade Lusíada de Lisboa. Um ano depois decidimos começar a tocar juntos, com a vontade de criar originais. Para completar a nossa formação, decidimos chamar um músico e amigo de longa data do João para ocupar a vaga de baterista – o Gonçalo Santuns (Paulo Brissos, Rita Guerra, Tributo Nina Simone) – que, por sua vez, sugeriu o Gonçalo Sousa (Soulbizness) para baixista.”

 

ONDE

“Vimos todos de contexto diferentes. O João e o Gonçalo Santuns já trabalham há mais anos a acompanhar artistas e a tocar em bandas de covers. O Gonçalo Sousa tem um passado musical mais ligado à produção de originais, com os Soulbuziness. E eu, por fim, mais nova, já estive numa banda de originais (Banda do Quintinho), passei por um programa de televisão (Voz de Portugal) e estou, actualmente, com mais duas bandas (Cat Green & the Strange Fellas e Catarina Ortins Quarteto). Sou a “Juju” da banda (risos)!”

 

MÚSICA E INFLUÊNCIAS

“O nosso repertório passa por muito Soul, Funk, Blues, R&B e Acid Jazz. Aliás, o nome da banda é um trocadilho com a produtora Motown. Tocamos versões de clássicos ou músicas mais recentes, mas sempre com o nosso cunho pessoal.”

 

MENSAGEM

“Boa energia. E alegria – diz o João. Queremos sempre deixar o nosso público em êxtase. Do início ao fim do concerto passamos por várias emoções e queremos que o público nos acompanhe nessa viagem.”

 

ERICEIRA E O NOTOWN

“A primeira vez que ouvi a Selma Uamusse, com o seu tributo a Nina Simone, foi na Ericeira, mais especificamente no Jukebox. A energia, a força que ela passou em apenas duas horas deram-me muita coragem para me encontrar como cantora e artista. E por isso não há dúvidas que vão ver uma Catarina com mais garra neste concerto.”

 

EXPECTATIVAS PARA O JUKEBOX GROOVE

“A Cláudia e o André são pessoas fantásticas. O Jukebox é inovador na Ericeira. Permitiu que voltasse a existir música ao vivo no centro da vila. E nós, como banda, estamos muito gratos por ser convidados para esta iniciativa. O que mais desejo é que o público vibre, cante, dance e viva connosco! Porque não há dúvidas que vai ser “a festa” na Ericeira.”

 

DESAFIOS

“Os Notown neste momento precisam, tal como todas as bandas “novas”, de ganhar notoriedade. Precisamos que o público nos conheça e sinta a necessidade de nos ouvir. Estamos a investir nas redes sociais e felizmente temos sido comentados pontualmente nos media.”

 

FUTURO

“Este grupo juntou-se com o intuito de tocar originais, de transmitirmos o que temos dentro de nós ao nosso público. Neste momento esses temas ainda estão em construção, mas falta pouco para os trazermos ao conhecimento das pessoas. Está quase!”