Marcha

Marcha da Ericeira 2017 - ph. CR-Ericeira Produções

 

Fotografia: CR-Ericeira Produções

 

No Sábado a Marcha da Ericeira desfilou pelas ruas da vila, naquela que foi a sua estreia em 2017, encantando locais, turistas e demais apaixonados pela terra dos ouriços. Aproveite para (re)ver aqui os vídeos das actuações nos Navegantes e no Largo das Ribas, que arrebataram o público pela beleza das coreografias e forte simbologia dos adereços. E já nos parágrafos seguintes pode ficar a conhecer as letras cantadas a plenos pulmões, com todo o sentimento e orgulho jagoz:

Moça Traquina (autor desconhecido): O barco que apita / Ao longe no mar / Varina que agita / Está peixe a chegar / Varina passa ligeira / Cantando o seu pregão / Há sardinha na Ribeira / Na noite de São João / Moça traquina / Espalhando amor / Varina, varina / O teu sonho é pescador / Céu estrelado / Coração em chama / Encontrou o seu amado / Aquele que tanto ama / De saia rodada / Chinela no pé / Lá vai azougada / Saber da maré / Varina de alegre olhar / Esperas o teu marinheiro / Olhando as ondas do mar / Mar azul e traiçoeiro / Na faina do mar / Anda o pescador / Da linda capela / Vejo o meu amor / Varinas e pescadores / Venham todos à Ribeira / Juntem os vossos amores / Venham saltar a fogueira.”

Rainha Ericeira (Letra: Rui Arsénio | Música: Marco Paulo): “Já espraia na tua areia / O Oceano que te enriquece / És noite de Lua cheia / És o Sol que me aquece / Tuas ruas, tuas vielas / Vestidas à moda antiga / Trazes flores nas janelas / Lares caiados de gente amiga / Cantai, cantai / Rapazes e raparigas / Lindas cantigas com amor à nossa terra / Dançai, dançai / Desfraldando a bandeira / Bela e vistosa / Vai na Marcha a Ericeira / O teu mar dá o comer / Ao teu povo e tua gente / Sem ti não posso viver / Inspiração da minha mente / Tuas praias recortadas / E Furnas majestosas / Finas areias douradas / Ó Ericeira, botão-de-rosa / No meu coração ficará / Durante a vida inteira / O seu nome gritará / Ericeira, bela Ericeira / Todas as terras que conheço / Como tu não há igual / O amor por ti não tem preço / Ó Ericeira, és Portugal.”