Livro eterniza o legado de José Franco

 

Fotografia: DR

 

Foi lançado recentemente o livro “Mestre José Franco – o Homem e a Obra”, como forma de assinalar o centenário do nascimento do barrista mais conceituado do concelho de Mafra.

A Câmara Municipal eternizou o legado deste consagrado artesão português através da edição de uma publicação por enquanto disponibilizada ao público apenas em formato digital. Quando a situação sanitária o permitir, a Câmara de Mafra, responsável pela obra, promoverá uma apresentação pública do livro, que ficará então disponível em formato físico.

De acordo com o presidente do executivo municipal, Hélder Sousa Silva, “homenagear José Franco é fazer um triplo tributo: primeiro, é evocar o trabalho de gerações de oleiros que souberam honrar uma imemorial tradição que constitui um elemento irrefutável da identidade do Concelho de Mafra; segundo, é reconhecer a genialidade do saudoso artista que, fazendo a transposição do utilitário para o simbólico, foi percursor do figurado de barro; terceiro, é recordar o contributo do filho da terra que recriou o modo de viver da região saloia na sua Aldeia-Museu – esse “pequeno mundo” moldado pelas suas mãos que, ainda hoje, cativa as crianças”.

José Franco não dispensava uma visita quase diária à Ericeira

As figuras produzidas por José Franco caíam em três categorias diferentes, pelo próprio classificadas da seguinte forma: Arte Sacra – imagens de Santos, presépios e tudo o que diz respeito ao Divino; Arte Popular – representações de tipos populares, que exprimem o quotidiano e as vivências das gentes locais; e Arte Satírica – os prazeres, os excessos do corpo, o Profano.

As suas fontes de inspiração, que eram diversas, incluíam o quotidiano rural e piscatório: no livro pode ler-se que “na produção das peças religiosas é reconhecível o fascínio que a estatuária do Palácio Nacional de Mafra, a magnífica obra da Escola de Escultura de Mafra, exerceu sobre ele. Mas José Franco teve outras fontes inspiradoras, como seja a visão do mar, não dispensando visitas quase diárias à Ericeira” – nessa deslocações matinais, comprava o almoço e partilhava conversas com pescadores e varinas. José Franco afirmava que a maresia e esse convívio lhe davam inspiração para pegar no barro.

Esta publicação, elaborada com o apoio da família de José Franco, reúne informação muito completa sobre a vida e obra do oleiro, ceramista e escultor nascido no Sobreiro, onde se mantém a sua fascinante Aldeia-Museu.

A abertura da obra encontra-se a cargo do presidente de Câmara Municipal, Hélder Sousa Silva, que deixa o seu testemunho sobre o biografado, que foi baptizado como José Silos Franco; e além de capítulos dedicados a sua mulher, Helena Franco, e à sua Aldeia-Museu, o Homem (em fotobiografia) e a Obra merecem secções distintas.

É possível consultar “Mestre José Franco – o Homem e a Obra” aqui.