Ericeira vai receber prova máxima do circuito de qualificação mundial de surf

Tomás Fernandes. Allianz World Junior - ph. José Guerra

 

Fotografia: José Guerra

 

Entre 24 e 30 de Setembro a Ericeira vai ser palco duma etapa do circuito de qualificação da World Surf League – WSL.

O EDP Billabong Pro Ericeira, prova de categoria máxima (10.000 pontos) do Qualifying Series (QS) promete contar com a participação de cerca de 80% dos atletas do circuito mundial (CT) e será para boa parte da ‘nata’ mundial, como Frederico ‘Kikas’ Morais, o pontapé de saída da ‘perna europeia’, antes das etapas francesa (Hossegor, 3 a 14 de Outubro) e portuguesa (Peniche, 16 a 27 de Outubro) do principal circuito mundial de surf.

Pretende-se que este evento, que vai substituir a prova de Cascais no calendário da WSL e terá sede em Ribeira d’Ilhas, tenha a sustentabilidade ambiental como bandeira, ou não se realizasse na “sala-de-visitas” da única reserva Mundial de surf europeia. De forma a assegurar que o impacto da prova na Natureza é reduzido, a organização está comprometida em fazer deste um evento “green”, centrado na sustentabilidade ambiental, onde, para além da não utilização de combustíveis fósseis, existe o objectivo de ser também “plastic free”.

O regresso dum evento desta importância à Ericeira, sete anos depois, será um dos primeiros passos que a Câmara Municipal de Mafra e o Turismo de Portugal iniciam em conjunto com o objectivo de recolocar a vila jagoz no panorama internacional do surf competitivo internacional.

Hélder Sousa Silva, Presidente da Câmara Municipal de Mafra, declarou que “receber, na Ericeira, a principal etapa europeia de qualificação para o Campeonato Mundial de Surf traduz o reconhecimento do património singular que são as ondas da Reserva Mundial de Surf, única na Europa, e também da qualidade do destino, contribuindo para a sua notoriedade e internacionalização. É com este propósito que damos as boas-vindas, à Vila da Ericeira, aos melhores surfistas do mundo, participantes no EDP Billabons Pro Ericeira QS/10,000” .

Por seu turno, e no ano em que celebra o 10º aniversário do circuito mundial em Portugal, Francisco Spínola, representante da WSL em Portugal sublinha a riqueza da costa portuguesa: “Há 10 anos, quando começámos a “desvendar” um pouco das condições do mar e da qualidade das ondas de Portugal, os surfistas da elite ficaram rendidos. Hoje em dia, conhecem não só esses locais como os diferentes tipos de onda que a nossa costa oferece em poucos quilómetros de distância. A Ericeira tem no seu ADN o potencial de onda de qualidade máxima e é isso que procuramos oferecer numa prova do circuito qualificação de categoria 10.000, onde os surfistas têm um nível de exigência e capacidades de performance muito acima da média. Ficamos muito contentes com a oportunidade de poder apresentar a Ericeira como local eleito para este ano.”

A última vez que o “tour” tinha passado pela Ericeira ainda não tinha sido consagrada a WSR

Após ter recebido os melhores surfistas júnior do mundo em 2014 e 2015, a praia de Ribeira D’Ilhas surge novamente como palco de uma etapa de categoria máxima do circuito de qualificação da WSL. A última vez que o “tour” tinha passado pela Ericeira data de 2011, com o Quiksilver Pro Portugal, etapa com estatuto Prime da entretanto extinta ASP – Association of Surfing Professionals –, que viria a dar lugar à WSL. Foi há “apenas” sete anos, mas nessa altura a Reserva Mundial de Surf (World Surfing Reserve – WSR) da Ericeira ainda nem tinha sido consagrada, o que aconteceu no dia 14 de Outubro desse mesmo ano, precisamente quatro meses após o início do Quiksilver Pro Portugal, que arrancou a 14 de Junho de 2011.

Para o EDP Billabong Pro Ericeira aguarda-se a participação de grande parte dos surfistas do circuito mundial e também daqueles que, ao longo do ano e até meados de Setembro, se afirmem como os melhores do mundo no circuito de qualificação. A disputa por um lugar entre a elite mundial em 2019 passará seguramente por aqui, até por esta constituir a única prova desta categoria na Europa.

Esta publicação também está disponível em | This article is also available in: Inglês