Ano Europeu do Património pode facilitar classificação de tesouros mafrenses pela UNESCO

Palácio Nacional de Mafra. - ph. Pedro Ribeiro Simões

 

Fotografia: Pedro Ribeiro Simões

 

O coordenador nacional do Ano Europeu do Património, Guilherme d’Oliveira Martins, considera que 2018 traz uma oportunidade para Portugal mostrar os seus tesouros, entre os quais há dois candidatos à classificação pela UNESCO: o Palácio Nacional e Tapada de Mafra e, ainda, o Palace Hotel do Bussaco e mata envolvente.

Este é o Ano Europeu do Património Cultural e recentemente Guilherme d’Oliveira Martins manifestou ao Diário de Notícias que tal pode dar um empurrão no reconhecimento como património mundial: “Pode ser importante. Não tenho dúvidas. Sou muito suspeito no caso de Mafra, uma vez que sou da comissão que apoia intensamente a candidatura.”

Guilherme d’Oliveira Martins pretende também aproveitar o momento turístico nacional para favorecer a importância do reconhecimento do património: “Portugal está na moda e nós queremos aproveitar esta circunstância para chamar a atenção para o património cultural”.

Relembre-se que em Janeiro de 2017 a Câmara Municipal de Mafra avançou com a candidatura do Real Edifício de Mafra, o Jardim do Cerco e a Tapada Nacional de Mafra à condição de Património Mundial da UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

As iniciativas do Ano Europeu do Património podem ser consultadas aqui.

Leia aqui o artigo do DN na íntegra.